Seguidores

quinta-feira, 25 de setembro de 2014

A dor dos pássaros - Maria Maria, poetisa de Currais Novos

FlauzineideemDivulgadora Lítero Cultural - Há 17 horas
*A dor dos pássaros* *Como a dor de certos pássaros no exílio de seu azul,* *minhas asas rumam tontas: * *norte, oeste, leste e sul.* *Vou soltando finos linhos de algodão branco e marfim.* *As idéias viram contas no meu universo nanquim.* *Vejo pedras.* *Faço amuletos do chão seco que me chama.* *Quero o sol desse começo, * *sono leve em minha cama.* *Vôo nas asas das andorinhas vendo a noite pousar cantando.* *Sei que estou em pleno inverno sem amor,* * mas sempre amando*. *Maria **Maria.

terça-feira, 23 de setembro de 2014

Meus Cantares,de Nilberto Cavalcanti de Souza, será lançado hoje, 25.







 O presidente da UBE-RN professor ROBERTO LMA lançará nesta quinta-feira dois livros de poesias: Meus Cantares (organizador e Prefácio) do senhor NILBERTO CAVALCANTI DE SOUZA seu pai e Romance da Princesa  Kalina (cordel)de sua autoria.
Para o poeta José de Castro, que assinou  as orelhas do Romance da Princesa Kalina: - o presente texto poético localiza-se no universo dos chamados romances ou novelas de cavalarias e de amor. Inscreve-se dentro da mais pura tradição da literatura de cordel
Serviço:
Local: Academia Norte-Rio-Grandense de Letras
Rua Mipibu, 443 - Petrópolis   
 Data: 25.09.2014 (quinta-feira)               Hora: 18h30
Contatos:
Telefone : 8899-9686






Amados amigos

Meus irmãos e eu convidamos todos para o lançamento do livro MEUS CANTARES
de autoria do nosso pai NILBERTO CAVALCANTI DE SOUZA (in memoriam)
organizado pelos nossos irmãos ROBERTO LIMA, ALBERTO, NALBA, LÚCIA, com a
colaboração de todos.

Será às 18.30h do dia 25/09 na Academia Norteriograndense de Letras (convite
em anexo). Segue também uma poesia de Roberto que achei muito interessante.
Foi uma reposta que fez a um amigo que perguntou “quanto custa o livro?”.
Ele respondeu em poesia. Formidável.

Grande abraço, esperando vê-los lá.



CUSTO, VALOR E PREÇO



O custo de cada livro

É o esforço do labor,

Noites e dias da vida

De dedicação e amor.

Só assim o esforço vale

E se transforma naquilo

Que a gente chama valor.



No entanto por este mundo,

Pra se ter algum apreço,

Quando se transforma em coisa,

Todo custo tem seu preço.



Concretamente falando

Pra você e pros demais

Custa um livro vinte e cinco

E o outro vinte reais,

Mas pros amigos, eu creio,

Que isto vale muito mais...



Forte abraço, amigo, e obrigado pela inspiração.



Roberto Lima de Souza



*Natal, 22 de setembro de 2014*

-


ABRAÇO, PAZ E BEM
Eugênio Lima de Souza

O verso da Dor.

Caro jornalista Cláudio Palheta Jr. (O Mossoroense):

Segue - ver abaixo e em anexo - poema para o caderno Universo, jornal O Mossoroense (Mossoró-RN), edição do próximo domingo (28/09/2014).
Favor acusar recebimento.
Saudações poéticas de
Clauder Arcanjo.

+++

O verso da dor

Clauder Arcanjo

Para Renard Perez

Hoje, o teu silêncio invadiu minha tarde.
Não pude falar dos meus pobres escritos,
Não pude me aconselhar com tuas leituras,
Não pude ouvir o teu sorriso, chão galego.

Hoje, o teu silêncio quebrou os ossos da tarde.
Não pude obrar o milagre de um começo caminho,
Não pude cobrir meu rosto com tua mansuetude,
Não pude medir os passos no teu áspero amor.

Hoje, o teu silêncio de beco e sinos quedou-me.
Creusa, Creusa! Já tarde, bem tarde, no tombadilho.



295 Poema O verso da dor, de Clauder Arcanjo_O Mossoroense 28.09.2014.doc

terça-feira, 16 de setembro de 2014

O grande Odúlio!


terça-feira, 16 de setembro de 2014


ODÚLIO BOTELHO
Jurandyr Navarro*
Do Conselho Estadual de Cultura
O espírito humano tem a capacidade de receber o ensinamento dos bons hábitos sociais e o dever de transmití-los às gerações subsequentes. A cada pessoa é-lhe atribuída uma parcela desse caráter civilizatório. Ela não se exibe tal uma bolha, que se desfaz, e sim, uma proposta de vida. Urge, portanto, conduzir esse facho iluminativo que não se apaga diante o vendaval da existência, havendo, naturalmente, coerência de atitudes marcantes.
Na ótica agostiniana, segundo Bertrand Russell, há de se considerar a passagem do tempo em três fases distintas, ou, simplesmente, três tempos: um presente das coisas passadas, que é a memória; um outro, presente das coisas presentes, que é a vista, e um presente das coisas futuras, ou seja, a espera.
O aprendizado da cultura humanística, ciêntífica ou profissional obedece a esse padrão evolutivo temporal.
O jurista Odúlio Botelho, a exemplo de muitos, perfilou a sua vida transpondo etapas sucessivas de estudos continuados, da idade juvenil ate alcançar a Universidade, o estágio complementar da meta almejada.
A Advocacia, a sua escolha profissional: tempo presente da aplicação dos ensinamentos adquiridos. Nesse labor, ele firmou o nome no fórum criminal. O saber jurídico, aliado à capacidade oratória, resultou em quociente apreciavél de vitórias merecidas na tribuna de Tribunal do Júri. Inúmeras as causas ajuizadas e responsavelmente defendidas. O verbo eloquente proferiu inumeráveis réplicas e tréplicas!
O causídico de causas criminais difere do postulante da espera cível. Há, naturalmente, os atuantes em ambas, indistintamente. A diferença, é a inspiração oratória, entre eles, fator de importâcnia capital, no convencimento da causa, no embate das idéias, sob o impacto da emoção psicológica, influenciadora da alma humana.
Durante a sua lida forense, Odúlio Botelho assumiu a responsabilidade como patrono e advogado, designações sinônimas. Tais encargos são mais usuais em ações criminais, pricipalmente nos duelos do Tribunal do Júri. Hoje, os termos se equivalem, entendido que é o advogado o patrono da causa.
O mesmo não ocorria no passado, mormente na Roma dos tempos de Cícero e de Múcio Cévola, famosos tribunos de lides forenses. Nessa época, ja distante, o defensor de algum réu, caso fosse orador, seria o patrono da causa. Se, apenas deslindasse controvérsias jurídicas, questões de direito, seria advogado.
Dai, constatar-se a importância dos juristas dotados de aptidão e dons de retórica, os mais adaptáveis aos debates da tribuna do Júri Popular.
E Odúlio Botelho foi um deles, na sequência da memória histórica.
Não há negar, o púlpito judiciário, através a magia da palavra, tem, ao longo do tempo, encantado e seduzido platéias e auditórios, os mais exigentes e qualificados.
Na opinião do grande orador, advogado e político, Cícero, a eloquencia judiciária é a prova mais alta nos julgamentos, destacando a “Oração da Coroa”, proferida por Demóstene, em defesa de Citesifonte, no debate oratório com o tribuno Ésquines.
No “tempo presente das coisas passadas”, João Medeiros Filho, Vicente de Souza, Wilson Dantas, Túlio Fernandes, Varela Barca, Cortêz Pereira, Arnaldo França, Caio Graco, Hercílio Sobral Chrispim, Claudionor de Andrade, Geraldo Pereira de Paula, Enock Garcia, Ítalo Pinheiro, Herbet Spencer, entre outros, receberam a devida inspiração tribunícia, o mesmo sucedendo com Odúlio Botelho, mais jovem, a imitá-los no mister de ser defensor de causa legítima dos submetidos ao julgamento dos crimes de sangue, em tribunal composto por um Magistrado, um Promotor de Justiça, Advogados e sete Jurados.
Na Grécia, ja havia a “Casa da Câmara”, com seus Juízes. No Areópago, o primeiro Tribunal de Atenas, já existia a figura do acusador.
Por ese período histórico, a lei era subordinada à religião. No rochedo das Termópilas estava gravado: “Viandante, vai dizer a Esparta que morrermos aqui em obediência às suas Leis”. Sócrates se imolou, seguindo os seus preceitos. Eram elas imutáveis, não como hoje, derrogadas ou revogadas. Imutáveis, por serem consideradas divinas.
Eram, portanto, sagradas.
Quando da sua criação, pelo governante, e sufragada em comício popular, a lei só era válida após ser sancionada pela religião. Proclamam autores antigos que ela foi sempre considerada santa.
Nos dias da realeza romana, era, a lei, a rainha dos reis; nos dias da república fôra a rainha do povo.
Odúlio Botelho teve postura de retidão ética e profissional. Nas ações penais a sua presença foi exitosa em todos os sentidos, no fiel cumprimento dos mandatos a si confiados. Também o fez nas ações cíveis, tanto na argumentação escrita em audiência formais, nas razões e contra-razões proferidas, no juízo singular, ou, na sustentação oral diante do tribunal pleno.
Portou-se, igualmente, a colegas que envergaram e envergam a sagrada beca, pela causa da Justiça, como representantes da nobre classe dos Advogados. Classe das mais remotas, nascida na Roma Antiga, na fase política do seu Império, depois das fases do Reinado e da República, quando, nestas últimas, ainda não havia a figura do Advogado.
Na sua triunfante carreira jurídica, Odúlio Botelho foi prestigiado pelo destino, com duas distinções de relevo. Presidente da OAB/RN, tendo realizado aplaudido mandato, quando teve oportunidade de levantar a bandeira dos chamados Direitos Humanos individuais.
E Odúlio Botelho, dirigente da nobre classe, os prestigiou como espécie de consciência nacional.
À frente da Instituição ele deu continuidade aos postulados éticos e à consciência intelectual, entendo constituir uma abnegação das mais cultas. A Advocacia requer, portanto, um caráter superior dos seus representantes.
A outra distinção a ele conferida foi a de ter sido escolhido, mediante valor profissional e perfil humanístico, um dos sócios-fundadores da Academia de Letras Jurídicas do Rio Grande do Norte, dendo sido um dos seus Presidentes, em cujo mandato realizou importantes eventos e editou o primeiro número da Revista da Instituição, inugurando, assim, a publicação dos discursos de posse dos Acadêmicos e demais matérias de âmbito cultural.
Frize-se, também, a sua erudita oração, ao fazer o clássico Elogio do Patrono, da sua Cadeira nº 22, que, por coincidência, o seu companheiro de longas tertúlias advocatícias, no Tribunal do Júri em Natal, Patrono, João Medeiros Filho!
A outra face laboriosa do advogado Odúlio Botelho foi a sua participação administrativa em cenários governamentais: Municipal, Estadual e Federal.
Na Prefeitura Municipal do Natal, exerceu o relevante cargo, em comissão, de Chefe da Casa Civil. No Estado, no exercício do seu cargo efetivo de Procurador, chefiou várias de suas Procuradorias internas, e na Secretaria de Administração ocupou cargos de direção. No plano Federal, foi um dos Diretores do Tribunal do Trabalho, desta Capital, durante um decênio.
Dotado de alma sensível à poesia, em horas de lazer, gosta de declamar  sonetos, poemas e outras divagações literárias, fazendo jús ao seu ingresso, por merecimento, em diversas das nossas instituições culturais. Presentemente presta o seu contributo valioso, na Diretoria do Insituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Norte.
________________________

* Artigo publicado em O Jornal de Hoje, dos dias 13 e 14 de setembro/2014

sexta-feira, 5 de setembro de 2014

Prefeito de Natal cria secretaria de cultura.

Fonte:substantivoplural.com.br
sexta-feira, 05/09/2014

por: Sergio Vilar

Posse da nova Secretaria de Cultura de Natal será terça

image07
Nesta terça-feira (9), às 10h, na sede da Prefeitura do Natal, acontecerá a solenidade de oficialização da recém criada Secretaria de Cultura de Natal (Secult/Natal), órgão que comandará as ações culturais do município com o braço da Funcarte. Dácio Galvão, atual presidente da Funcarte, também responderá pela Secretaria de Cultura.
A publicação da criação da Secult saiu na edição de sábado (30) do Diário Oficial do Município. No organograma apresentado, a Secult/Natal irá incorporar a Funcarte em sua estrutura e junto também a inédita Sala Natal, responsável pela formatação e aplicação de intervenções no campo das Artes Visuais no Parque da Cidade Dom Nivaldo Monte (Memorial de Natal), a cargo de Franklin Jorge.
A criação da Secult foi um dos pontos da reforma administrativa aprovada na Câmara de Vereadores, que previu também a extinção de cargos e redução de secretarias. A criação da Secult é mais um passo dentro das ações previstas e acordadas na Conferência Municipal de Cultura, em 2013, seguindo diretrizes do Plano Nacional de Cultura e do Plano Municipal de Cultura.
Desde a metade dos anos 1980 que Natal não tinha Secretaria de Cultura. A primeira experiência aconteceu na gestão do então prefeito Garibaldi Alves Filho, hoje Ministro da Previdência. Trata-se de um acontecimento histórico na cultura da cidade. Com a Secult/Natal, a cultura passa a ter orçamento próprio e amplia as condições do planejamento e execução de políticas públicas para o segmento.
Foto: Eduardo Maia/Novo Jornal