Seguidores

quinta-feira, 29 de setembro de 2016

Sobre o abandono do casarão dos Guarapes.

quarta-feira, 28 de setembro de 2016

Serejo



Resultado de imagem para VICENTE SEREJO

A REVOLTA DOS GUARAPES

Vicente Serejo*

Outro dia perguntei ao meu amigo Valério Mesquita, legítimo senhor do velho principado de Macaíba, como se faria para o governo estadual iniciar as obras de restauração do casarão dos Guarapes. Valério contraiu o cenho como um velho personagem de romance, e me respondeu: "Não sei. Só soube que Fabrício Pedroza, inconformado com esse abandono sem fim, arregimenta os fantasmas guerreiros e vai descer do alto dos Guarapes numa revolta armada e sem fronteiras".
Ora, essa mania de gostar de literatura tem esse defeito medonho: não fazemos diferença entre o real e o irreal. A narrativa para nós, leitores como eu, ou escritores como ele, é um toque mágico que faz viver com a força da palavra o que parece ser apensas um quadro na parede, para usar o verso belíssimo do poeta Drummond de Andrade. Pois assim aconteceu. Foi Valério descrevendo a cena épica e o medo cavalgando sobre a alma melancólica deste pobre homem da Rua da Frente.
Já imagino o mui austero Fabrício Pedroza, senhor de terras e de gados, de sonhos e de riquezas, na sua ira santa. Duas vezes querem vê-lo vencido pelos reveses da vida. Na saúde que perdeu tão moço e, agora, no seu casarão colonial que deixam cair em ruínas, numa agonia de mais de um século. Resta um frontão já consumindo suas últimas forças, mantendo a aristocracia de seu olhar sobre o rio e os tabuleiros, ali onde seus olhos ficaram pregados na paisagem íntima.
Numa ira santa e tão desafiado na sua coragem dura e antiga como as pedras do seu chão, ninguém duvide mesmo se numa madrugada dessas Fabrício Pedroza, feito um Dom Quixote no seu delírio sonhador, descer do alto do Paço dos Guarapes arrastando seus alabardeiros com as suas alabardas em riste como a guarda suíça do Vaticano. Quando desse rio e desse mar não foram tesouros seus no comércio das riquezas e das palavras perdidas? Enfrentá-lo, quem há de?
Velho de mais de um século e meio, o casarão de Fabrício É um símbolo pela voragem dos anos, nem o tempo pode apagar sua história. A agitação dos seus dias na exposição de sal, peles, algodão, açúcar e especiarias, conta a história viva de um tempo de fulgor, aqui e dalém mar. Quem sepultará o sonho de Fabrício Pedroza, morto em 1871, se suas mãos e seus feitos não repousam em paz no velho Cemitério de São João Batista?
A ninguém o rigor histórico perdoará pela rendição. Não é só um casarão decaído, suspirando entre ruínas. Mas seus anos de fama, riqueza e poder. Por isso, talvez pela mania de acreditar no milagre da transcendência, tive medo quando Valério Mesquita disse que corre na feira de Macaíba a notícia de que o pequeno e heróico exército de Fabrício Pedroza, sem glória e sem sossego, nesses dias desce do alto dos Guarapes. Numa revolta feita de mágoa e solidão.

(*) Escritor e Jornalista

Teatro é homenageado na terceira edição do projeto Convite à Cultura

TESTE
Crédito da Foto: Eduardo Maia

Despertar o interesse dos jovens pelas artes através do teatro. Foi com esse mote que aconteceu a 3ª edição do Projeto “Convite à Cultura”, realizado na manhã desta quarta-feira (21), na Escola da Assembleia, e que contou com uma plateia formada por alunos da Escola Estadual Professor Francisco Barbosa, de São José de Mipibu.

Nesse terceiro encontro o “Convite à Cultura” homenageou o Mês do Teatro, com a apresentação da peça “Deus e sol, sol e farinha”, encenada pelos alunos da primeira turma de teatro da Escola. O projeto é fruto de parceria com a Câmara Municipal de São José de Mipibu, e teve o artista norte-riograndense Wilson Pala como professor. O texto da apresentação é de autoria do poeta popular e cordelista mossoroense Antônio Francisco, membro da Academia Brasileira de Cordel.

O projeto vem atingindo o objetivo de despertar nos jovens o interesse pelas artes. Foi assim com o barman Jonas da Silva Oliveira. “Eu sempre tive interesse, mas nunca tinha tido a oportunidade de fazer um curso de teatro. Está sendo uma experiência incrível e uma honra estar ao lado de pessoas com mais experiência”, disse o ator recém-estreado nos palcos. Quando falou de pessoas experientes, Jonas se referiu a agente de saúde Nelly Cristina, que atua no teatro de rua há 18 anos. “Participo do grupo de teatro da Secretaria Municipal de Saúde de São José de Mipibu e meu trabalho é passar informações brincando”, disse. Sobre a convivência com jovens aspirantes a ator, afirma: “O teatro muda a vida das pessoas”.

Para o diretor da Escola da Assembleia, Carlos Russo, essa foi mais uma oportunidade de levar pessoas a conhecer o trabalho da Escola da Assembleia que abriu o leque de cursos para a arte, com aulas de música para crianças e teatro. “Essa é uma contrapartida que oferecemos para a sociedade e é importante que eles entrem aqui, conheçam nosso trabalho e saibam dos cursos que oferecemos”, destacou o diretor.

A participação de alunos de escolas estaduais é fundamental, destaca a supervisora pedagógica da Escola Estadual Professor Francisco Barbosa, Monalisa Ramos. “É um dia diferente e ficamos muito felizes por poder participar desse projeto pela segunda vez”, disse. A participação de escolas estaduais pode ser agendada diretamente com a Escola da Assembleia.

Além de comemoração, o fim de mais uma etapa é um momento de reflexão para o professor Wilson Pala. “O período do curso é pequeno, mesmo assim conseguimos fazer um trabalho de iniciação e ainda apresentar um produto final de qualidade. O teatro é uma arte presente em todas as classes sociais, mas precisa de um incentivo maior. A Escola da Assembleia está exercendo um papel fundamental com esse programa de trazer a arte do teatro e da música para as escolas estaduais. O universo da arte é necessário para que possamos respirar nessa realidade tão cruel”.
 
Crédito da Foto: Eduardo Maia

segunda-feira, 26 de setembro de 2016

DOMINGO, 25 DE SETEMBRO DE 2016


Foto do perfil de Lívio Oliveira
Visitarei a casa materna
(Lívio Oliveira)
Irmãos, mesmo que o caminho seja pó
e eu seja só sobre a terra entre espinhos
guardarei a lembrança plena de nossa casa
o telhado e alicerces e os quartos assimétricos
e terei entre as mãos a água do açude que escorre
no bolso uma pedrinha de mármore em cubo polido
 
que deixarei sobre a porteira vigiada pelo concriz.
Irmãos, ainda que não ouçam mais meu grito
e que a distância entre nós seja de léguas tortas
 
guardarei, sim, a lembrança plena de nossa casa
plantarei os meus pés no barro vermelho e areias
e mirarei longe o milharal por que nossa avó passou
as brincadeiras e um velocípede vermelho e quebrado
me serão peças na consciência de um mundo puro e são.
Irmãos, quando o meu corpo evaporar sobre os olhos do tempo
e só uma leve brisa simbolizar minha presença nas mentes
terei ainda guardada a lembrança de nossa casa plena
e do café quente e leite em volumes misturados e o pão
 
nas manhãs de frio ou calor na antevéspera do sonho
mirarei sorrindo de cima da mangueira em festa no quintal
 
o arco-íris que cruza outras nuvens e colherei aí nova fé.

quarta-feira, 21 de setembro de 2016

Dom Jaime retorna de Roma e fala das expectativas para canonização dos Mártires

ARQUIDIOCESE DE NATALASSESSORIA DE COMUNICAÇÃOFONE: (84) 3615-2800


 O Arcebispo Metropolitano de Natal, Dom Jaime Vieira Rocha, retornou de Roma, na noite desta segunda-feira, 19. Na capital italiana, ele foi tratar do andamento do processo de canonização dos Mártires de Cunhaú e Uruaçu. Na quarta-feira, 14, Dom Jaime teve uma audiência com o prefeito para a Congregação da Causa dos Santos, Cardeal Ângelo Amato. Também participaram do encontro, o postulador da Causa de Canonização dos Mártires, Frei Giovanni Califano, e o representante do processo de canonização, na Arquidiocese, Padre Júlio César Cavalcante. Na quinta, dia 15, às 11h30 (horário de Roma), o Arcebispo de Natal, acompanhado do arcebispo emérito de São Paulo, Cardeal Cláudio Hummens, teve uma audiência com o Papa Francisco.
 Em agosto de 2015, Dom Jaime recebeu um telefonema do Cardeal Hummens, informando que havia conversado com o Papa sobre a possibilidade da canonização dos mártires potiguares. Em entrevista à Rádio Vaticano, na sexta-feira passada, o cardeal falou sobre como surgiu a intenção da canonização dos protomártires nativos do Brasil. “Levantei esta causa tempo atrás com o Papa Francisco, lembrando que ele havia canonizado outros beatos históricos antigos e que não há mais muita documentação a ser levantada. Ele já canonizou o Beato Anchieta, o Padre Fabro, um dos fundadores da Companhia de Jesus. Numa audiência que tive com ele, me recordei destes nossos mártires e pensei: ‘Por que não apresentar ao Papa esta questão?’ e escrevi em um memorando ‘se não era possível pensar numa canonização’. Ele reagiu muito positivamente e me disse para conversar com o Cardeal Amato, com o Presidente da CNBB e com o Arcebispo de Natal. Foi o que eu fiz”, disse o arcebispo emérito de São Paulo.
 Próximos passos
De volta a Natal, Dom Jaime Vieira informou que, agora, a Arquidiocese precisa cumprir algumas providências, referentes ao andamento do processo de canonização dos Bem aventurados Padre Ambrósio Francisco Ferro, Padre André de Soveral, Mateus Moreira e companheiros mártires. Entre elas, está a difusão da devoção aos mártires, padroeiros do Rio Grande do Norte.
Em outubro próximo, o postulador, Frei Giovanni Califano, deve entregar o relatório final do processo de canonização ao prefeito da Congregação da Causa dos Santos, Cardeal Ângelo Amato. A partir da daí, o processo será avaliado por uma comissão de cardeais e teólogos da Congregação para, em seguida, ser encaminhada ao Papa.

OBSERVAÇÃO:
Em anexo, dois áudios com Dom Jaime: um falando sobre o objetivo da viagem e outro falando sobre os próximos passos que a Arquidiocese deve dar para a canonização.
Também, em anexo, uma foto de Dom Jaime com o Papa Francisco. O crédito é do L'osservatore Romano





Mais informações:
. Cacilda Medeiros – assessoria de comunicação da Arquidiocese de Natal – (84) 3615-2800 / 99968-6507
. Luiza Gualberto – assessoria de comunicação da Arquidiocese de Natal – (84) 3615-2800 / 99936-3663
3 anexos

segunda-feira, 19 de setembro de 2016

O segredo de uma boa vida.

                      casal balões 2.jpg

                         Texto sábio de um geriatra
.
Estamos envelhecendo.  Não nos preocupemos!  De que adianta, é assim mesmo.  Isso é um processo natural.  É uma lei do Universo conhecida como a 2ª Lei da Termodinâmica ou Lei da Entropia.  Essa lei diz que:  “A energia de um corpo tende a se degenerar e com isso a desordem do sistema aumenta”.  Portanto, tudo que foi composto será decomposto, tudo que foi construído será destruído, tudo foi feito para acabar.  Como fazemos parte do universo, essa lei também opera em nós.  Com o tempo, os membros se enfraquecem, os sentidos se embotam.  Sendo assim, relaxe e aproveite.  Parafraseando Freud:  “A morte é o alvo de tudo que vive”.  Se você deixar o seu carro no alto de uma montanha, daqui a 10 anos ele estará todo carcomido.  O mesmo acontece a nós.  O conselho é:  Viva.  Faça apenas isso.  Preocupe-se com um dia de cada vez.  Como disse um dos meus amigos a sua esposa: “me use, estou acabando!”.  Hilário, porém realista.

Ficar velho e cheio de rugas é natural.  Não queira ser jovem novamente, você já foi.  Pare de evocar lembranças de romances mortos, vai se ferir com a dor que a si próprio inflige.  Já viveu essa fase, reconcilie-se com a sua situação e permita que o passado se torne passado.Abrace a Vida .Está vivo, procure um Amor e seja feliz com ele.Desfrute o Presente.  Esse é o pré-requisito da felicidade.  “O passado é lenha calcinada.  O futuro é o tempo que nos resta: finito, porém incerto”  como já dizia Cícero.

Abra a mão daquela beleza exuberante, da memória infalível, da ausência da barriguinha, da vasta cabeleira e do alto desempenho, pra não se tornar caricatura de si mesmo.  Fazendo isso ganhará qualidade de vida.  Querer reconquistar esse passado seria um retrocesso e o preço a ser pago será muito elevado.  Serão muitas plásticas, muitos riscos e mesmo assim você verá que não ficou como outrora.  A flor da idade ficou no pó da estrada.  Então, para que se preocupar?!  Guarda os bisturis e toca a vida.

Você sabe quem enche os consultórios dos cirurgiões plásticos?  Os bonitos.  Você nunca me verá por lá.  Para o bonito, cada ruga que aparece é uma tragédia, para o feio ela é até bem vinda, quem sabe pode melhorar, ele ainda alimenta uma esperança.  Os feios são mais felizes, mais despreocupados com a beleza, na verdade ela nunca lhes fez falta, utilizaram-se de outros atributos e recursos.  Inclusive tem uns que melhoram na medida em que envelhecem.  Para que se preocupar com as rugas, você demorou tanto para tê-las!  Suas memórias estão salvas nelas.  Não seja obcecado pelas aparências, livre-se das coisas superficiais.  O negócio é zombar do corpo disforme e dos membros enfraquecidos.

Essa resistência em aceitar as leis da natureza acaba espalhando sofrimento por todos os cantos.  Advêm consequências desastrosas quando se busca a mocidade eterna, as infinitas paixões, os prazeres sutis e secretos, as loucas alegrias e os desenfreados prazeres. Isso se transforma numa dor que você não tem como aliviar e condena à ruína sua própria alma.  Discreto, sem barulho ou alarde, aceite as imposições da natureza e viva a sua fase.  Sofrer é tentar resgatar algo que deveria ter vivido e não viveu.  Se não viveu na fase devida, o melhor a fazer é esquecer.

A causa do sofrimento está no apego, está em querer que dure o que não foi feito para durar.  É viver uma fase que não é mais sua.  Tente controlar essas emoções destrutivas e os impulsos mais sombrios.  Isso pode sufocar a vida e esvaziá-la de sentido.  Não dê ouvidos a isso, temos a tentação de enfrentar crises sem o menor fundamento.  Sua mente estará sempre em conflito se ela se sentir insegura.  A vida é o que importa.  Concentre-se nisso.  A sabedoria consiste em aceitar nossos limites.

Você não tem de experimentar todas as coisas, passar por todas as estradas e conhecer todas as cidades.  Isso é loucura, é exagero.  Faça o que pode ser feito com o que está disponível.  Quer um conselho?  Esqueça.  Para o seu bem, esqueça o que passou.  Tem tantas coisas interessantes para se viver na fase em que está.  Coisas do passado não te pertencem mais.  Se você tem esposa e filhos, experimente vivenciar algo que ainda não viveram juntos, faça a festa, celebre a vida, agora você tem mais tempo, aproveite essa disponibilidade e desfrute.  Aceitando ou não, o processo vai continuar.  Assuma viver com dignidade e nobreza a partir de agora.  Nada nos pertence.

Tive um aluno com 60 anos de idade que nunca havia saído de Belo Horizonte.  Não posso dizer que, pelo fato de conhecer grande parte do Brasil, sou mais feliz que ele.  Muito pelo contrário, parecia exatamente o oposto.  O que importa é o que está dentro de nós, a velha máxima continua atual como nunca: “quem tem muito dentro precisa ter pouco fora”.
Esse é o segredo de uma boa vida.
 

quinta-feira, 15 de setembro de 2016

Bote Fé Natal anuncia atrações e inicia venda de camisetas



O ministério de música "Missionário Shalom" é uma das atrações confirmadas para a segunda edição do Bote Fé Natal, que será realizado dia 22 de outubro próximo. O ministério "Missionário Shalom" foi uma das 30 atrações que participaram da primeira edição do evento, em 2012, e, neste novo formato, puxará o trio elétrico do Bote Fé.
O primeiro lote de camisas será promocional, ao valor de R$ 20,00, e estará à venda a partir do meio dia desta sexta-feira (16), até o meio dia do sábado (17), através do site: www.even.tc/bote-fe.
Para esta segunda edição do Bote Fé Natal será explorado o tema "Na Trilha da Paz", que pretende dar continuidade à "Campanha da Paz", realizada, em agosto passado, pela Arquidiocese de Natal.
 O evento, que em sua primeira edição reuniu cerca de 30 mil fiéis, também contará com a participação da banda católica potiguar, Sintonia do Bem, que fará a abertura.⁠⁠⁠⁠

Mais informações:
. Edvanilson Lima – equipe de comunicação do Bote Fé – (84) 3615-2800 / 99118-0782
. Cacilda Medeiros – assessoria de comunicação da Arquidiocese de Natal – (84) 3615-2800 / 99968-6507
. Luiza Gualberto – assessoria de comunicação da Arquidiocese de Natal – (84) 3615-2800 / 99936-3663
Imagem inline 1
Lançamento livro do Acadêmico Benedito Vasconcelos Mendes

CONVITE AOS AMIGOS                           

"Não consigo ser feliz na solidão. Gosto de vivenciar momentos felizes no meio de familiares e amigos.Irei comemorar meus 71 anos de vida lançando um livro sobre minhas atividades profissionais. Venha contribuir para aumentar minha alegria no dia do lançamento deste livro. Sua presença será meu presente."

Livro: "História da Minha Vida Profissional"

Data do Lançamento: 22 de setembro de 2016. (quinta-feira).

Horário: 18 horas.                                     

Local: Academia Norte-rio-grandense de Letras
Rua Mipibu,443, Petrópolis. Natal-RN.